Nossa História

 

No dia 08 de abril de 1905, sob o assoalho da velha capelinha do Rosário, morreu, nesta Cidade de Carangola, à mingua de alimento e assistência médica, Camilo Jacinto Maria, sexagenário, mendigo, e enfêrmo. Que destino cruel, com suas agruras torturantes, arrastou às plagas Carangolenses. A triste e dolorosa ocorrência foi habilmente explorada pelo jornalista Antonio Carlos Themudo, diretor de “O Progressista” que em sucessivos editoriais de seu semanário, exortou todas as classes do município a fundar uma “Casa de Caridade”, para abrigar e socorrer os abastardos da sorte. Encontrando terreno propício, a idéia germinou, e no dia 25 de Maio do referido ano, na residência do Dr. Manoel Santino de Castro Lobo, reuniu-se uma comissão composta do Cônego Francisco Sabino de Filó, Vigário da paróquia, Cel. Honório José Pereira, Presidente da Câmara Municipal, Dr. Wladimir Nascimento Mata, Juiz de Direito da comarca, Antonio Carlos Themudo, Diretor de “O Progressista”, e Joaquim Alves Vilela, pela redação de “O Rebate”. Esta comissão encarregou-se a si mesma de levar de vencida tão generosa iniciativa, com o auxílio de todos os habitantes do município, a quem fez veemente apelo por meio dos circulares e da imprensa. Na mesma reunião foram designados 4 sub-comissões com as seguintes finalidades: Escolha do local da futura sede, elaborar o projeto dos estatutos, angariar donativos e fiscalização dos trabalhos preparatórios. Para obter donativos foram ainda nomeadas comissões em Tombos, Faria Lemos, São Francisco do Glória, Divino de Carangola, São Sebastião da Barra, e Alto do Carangola, conforma consta na ata lavrada por Themudo. No dia 28 do mesmo mês de Maio e a 5 do seguinte mês de junho, reuniu-se a sub-missão encarregada do local da futura Casa de Caridade, composta dos Doutores: Américo Arnulfo Torres, Aristóteles Dutra e Carvalho, Arthur Marques de Oliveira e Francisco Pedro Monteiro da Silva, dando seu parecer e colocando à disposição os seus serviços profissionais. Themudo secretariou as duas reuniões e lavrou as competentes atas.

Aos assinantes de “O Progressista”, e às pessoas de mais destaque do município, foram distribuídas mais de 500 listas para angariar donativos, que renderam CR$ 1.559,30, sendo recolhidas algumas com uma única subscrição de CR$ 0,30. José Correia de Almeida, comerciante em Faria Lemos, fez cessão de um documento de valor CR$ 4.270,00, e o Capitão Américo Pinto Machado contribuiu com a quantia de CR$ 2.000,00.

Nos primeiros dias de Agosto de 1905 foi aprovado em 2ª discussão, no Congresso Estadual o projeto de Heitor de Souza, Deputado pelo Distrito de Carangola, autorizando a cessão do prédio da cadeia à Casa de Caridade; e, a 27 de setembro era sancionada a lei nº 419, votada pelo Congresso do Estado, autorizando o governo a fazer a cessão gratuita à Câmara Municipal de Carangola, do prédio que serviu durante 06 anos de cadeia, para em o mesmo ser instalada a Casa de Caridade.

O Minas Gerais de 15 de Agosto de 1906, publicava o seguinte decreto: O Doutor Presidente do Estado de Minas Gerais, de conformidade com a lei nº 419 de 27 de setembro de 1905, resolve ceder à Câmara Municipal de Carangola, o prédio que serviu como cadeia local, para que seja nele instituido um hospital de caridade. Palácio do Presidente do Estado de Minas Gerais, em 14 de Agosto de 1906.

Francisco Antônio de Sales
Antonio Carlos Ribeiro de Andrada

Em Dezembro do mesmo ano, estava disponível o prédio em virtude da transferência dos 36 presos para a nova cadeia local, e a firma Fraga & Sobrinhos, oficia à comissão, oferecendo-se a fazer no prédio a limpeza e alterações necessárias e a concorrer para aquisição do mobiliário.

O Referido prédio, desapropriado pela prefeitura há poucos anos, e já demolido, fazia esquina com a Rua Padre Cândido e Praça Presidente Getulio Vargas. Nele funcionou a Casa de Caridade até 1922, ano em que se transferiu para sua atual sede.

No dia 24 de Fevereiro de 1907 na sala de sessões da Câmara Municipal, reuniram-se as diversas comissões e sub-comissões sob a presidência do Dr. Cleto Toscano Barreto, estando presentes 22 pessoas que assinaram o livro de presença e se inscreveram como membros da sociedade, sendo apresentados, discutidos e aprovados os Estatutos da Casa de Caridade de Carangola. No dia 03 de Março seguinte, realizou-se especialmente convocada, a assembleia geral que elegeu a seguinte primeira diretoria:

  • Provedor: Dr. Manoel da Cruz
  • Vice-provedor: Dr. João Batista Neves
  • Dr. Olimpio Teixeira
  • Secretários: Felisberto José Garcia
  • Benjamin Vieira Barros
  • Tesoureiro: Manoel Pedro Lourenço
  • Mordomos: Augusto Mateus
  • João José Duarte
  • Capitão Olímpio J. Machado
  • Joaquim M. Ferreira Neto
  • Dr. Josias Vilela de Azevedo
  • Múcio Martins Vieira
  • Dr. João C. Carvalho Vidigal
  • Natale Lanzarotti
  • Breno Alves da Mota
  • José Augusto Albuquerque
  • Major Aristides Barroso
  • Carlos Augusto de Carvalho

Assim nasceu a Casa de Caridade de Carangola, instituição modelar e bem aparelhada, apontada sem favor, como maior centro cirúrgico de nossa vasta região.
Atraídos pela eficiência de todos os seus serviços, a ela convergemos doentes e indigentes de todos os municípios vizinhos de nosso estado, e dos estados do Espírito Santo e do Rio de Janeiro.

Possui, presentemente 52 leitos para indigentes de ambos os sexos e 30 para doentes particulares. Tem em adiantada construção um novo pavilhão de dois pavimentos para indigentes, uma suntuosa e moderna Maternidade de três pavimentos e um lactário.

Casa de Caridade de Carangola – há mais de 100 anos cuidando de sua saúde e de sua família!